Síndrome de Fournier - uma doença devastadora que você precisa conhecer

Síndrome de Fournier - uma doença devastadora que você precisa conhecer

Olá, Poderosas!

Vocês devem estar se perguntando o motivo de eu ter sumido estes últimos dias, não é mesmo? Então, vou contar para vocês o que aconteceu com meu marido e que serve de informação, caso presenciem algo parecido. Eu pensei bem antes de expor minha família, pois meu marido teve uma doença um pouco “delicada” de se falar, mas queria que servisse como um post informativo para vocês. Pois a informação pode salvar vidas. E foi por isso que decidi escrever sobre esta doença.

Há mais ou menos 20 dias atrás, meu marido começou a sentir uma forte dor nas costas, na região do cóccix. Ao mesmo tempo, começou a sentir um certo mal estar, o que o levou a ligar para um médico amigo dele (ortopedista), pois achou que seria problema na coluna. O médico receitou um ainti-inflamatório e informou o contato de um clínico geral para ele se consultar. Meu marido marcou a consulta para dois dias depois, mas a dor continuou e foi aumentando gradativamente. Ele começou a sentir mal no Domingo e se consultou na Quinta-Feira da mesma semana.

No momento da consulta, a dor que ele sentia já estava na região do região do períneo. Não estava mais nas costas. O médico disse que poderia ser um pelo encravado ou uma espinha inflamada e receitou um antibiótico e pediu para continuar com o anti-inflamatório. O problema é que a dor foi aumentando, o local da dor foi inchando, ele teve muita febre por dois dias e ficou completamente de cama. Não conseguia se levantar pra nada.

Conversando com meu pai, ele me falou sobre uma pomada que fazia com que a espinha ou furúnculo estourasse para melhorar esta inflamação. Meu pai tinha a pomada e meu marido aplicou no Sábado à noite. Neste dia a situação já estava ficando tensa. A região estava inchada demais e meu marido totalmente de cama, não conseguia nem se levantar direito para ir ao banheiro. Queria levá-lo para o hospital, mas ele não quis, pois já estava fazendo o tratamento que o médico havia prescrito. Passamos a pomada e, quatro horas depois, a “tal espinha” estourou, saindo sangue, misturado a uma secreção com um cheiro fétido, realmente indescritível.

No nosso raciocínio, aquela secreção sairia totalmente e ele melhoraria. Mas, foram dois dias de sangue e secreção saindo, com aquele cheiro realmente fétido. E nada dele melhorar.

Já na Segunda-Feira, ele tinha uma nova consulta com o médico. Mas antes da consulta, ele ligou para o médico e disse que não tinha condições de ir, pois estava sangrando e não conseguia andar. O médico disse para ele ir à consulta com urgência, porque ele precisava vê-lo e não poderia deixar para outro dia.

Fomos à consulta. Chegando lá, dois médicos o examinaram e pediram para ele internar no hospital com urgência, pois precisaria fazer uma cirurgia de emergência.  Foi o que fizemos. Ele se internou à noite, sem saber ao certo o que estava acontecendo. Foi quando um médico urologista o examinou no hospital, a pedido de seu médico Clínico Geral, para ver realmente o que estava acontecendo.

Então, ele deu o diagnóstico: Síndrome de Fournier. E nos disse que o problema era muito sério e que teria que fazer uma cirurgia de emergência para curar a infecção. Ficamos sem entender direito o que era a tal síndrome. Afinal, o que era esta doença? O que estava acontecendo? Por que ele adquiriu esta doença?

Bom, ele passou por uma cirurgia, deu tudo certo, graças à Deus, mas tivemos a informação de que não poderia fechar o local da cirurgia, pois o pus (secreção) tinha que ser ainda drenado para a infecção não voltar. Ainda tivemos a informação de que dias depois, caso a infecção não drenasse totalmente, ele teria que passar por outra cirurgia e depois por uma plástica.

Poderosas, quis alertar vocês, pois se tivéssemos esperado mais alguns dias meu marido não teria resistido. A infecção foi tão grave que já estava se espalhando para outros órgãos. E o pior, meu marido sempre foi extremamente saudável, não possui diabetes, hipertensão ou algum outro fator que o fizesse ter alguma predisposição para adquirir esta doença. Ou seja, temos que ficar atentos e conhecer a doença, pois pode acontecer com alguém e como a doença não é divulgada, a gente nem fica sabendo o que de fato está acontecendo.

Na mesma semana que meu marido esteve no hospital (ficou internado por 8 dias), tiveram mais dois casos da mesma doença em mulheres (o que é mais raro ainda). Uma mulher mais nova, que tinha acabado de ter um bebê há quatro meses e uma senhora idosa. Fiquei pensando: bom, ou é muita coincidência ou esta doença não é tão rara assim. Conversando com as enfermeiras do hospital, elas me disseram que realmente casos da doença não apareciam com tanta frequência.

Agora ele já está em casa, está fazendo os curativos, está de repouso e fazendo sessões de oxigenoterapia hiperbárica (para fazer com que a ferida cicatrize de forma mais rápida). Felizmente conseguimos controlar a doença no início e meu marido não vai ter sequelas mais graves. Mas, a recuperação é lenta e a doença é devastadora. Na clínica de oxigenoterapia soubemos por médicos que sempre aparecem casos desta doença para serem tratados lá.

Então, para saber a fundo sobre a doença, eu pesquisei bastante e queria compartilhar um pouco com vocês:

A Síndrome de Fournier é um problema de consequências graves, podendo causar a falência múltipla dos órgãos e levar o indivíduo ao óbito. Se a doença for diagnosticada corretamente e no início poderá ser resolvida com tratamento adequado. A doença não é contagiosa.

Essa doença terrível e devastadora acomete principalmente os homens, na qual pode ocorrer uma mutilação na genitália masculina e na região do períneo. Ela é caracterizada por uma trombose vascular e necrose, provocando uma isquemia no local.

É causada por várias bactérias, mas um dos principais agentes causadores é a bactéria Escherichia coli que vive principalmente no nosso intestino fazendo parte da nossa microbiota e vivendo tranquilamente sem nos fazer nenhum mal. Entretanto, vendo uma possibilidade de interação e crescimento pode nos trazer sérios problemas de saúde e ocasionar a síndrome. Pessoas com diabetes, obesidade mórbida, doenças malignas e vasculares estão mais propensas a adquirir esta doença.

A região afetada, principalmente nos homens, é a região do períneo que se localiza entre o saco escrotal até o ânus e nas mulheres entre a vulva até o ânus também. A síndrome causa dores fortes nessa região e uma hipersensibilidade no local, além disso, mal-estar, febre, perda de força, morte do tecido afetado (necrose), ferimentos intensos purulentos com fragmentação, além de aspecto escuro e o mau cheiro, pois o tecido apodrece com a evolução da doença e será necessária intervenção cirúrgica para retirada do tecido morto e, portanto inicia-se o processo de mutilação da genitália.

Então, é isso Poderosas, quis fazer este post, apesar de estar expondo minha família, pois esta doença é bem delicada de se falar. Contudo, quis informar vocês sobre ela, pois a informação é a maior arma que temos para combater a doença o mais rapidamente possível. Minha família e todos os amigos com quem conversei, nunca tinham ouvido falar nesta terrível doença. Meu marido não tinha nenhuma predisposição à doença. Sempre foi muito saudável, ou seja, não se sabem ainda as causas exatas para o surgimento desta síndrome, mas fazendo o tratamento o mais rápido possível, consegue-se a cura para esta doença e menos sequelas serão deixadas por ela.

Beijos!

Fiquem com Deus!

Fontes consultadas: 

http://diariodebiologia.com/2016/02/sindrome-de-fournier-a-doenca-que-mutila-os-orgaos-genitais/

https://www.tuasaude.com/sindrome-de-fournier/

 

dor-penis-1100-810x442

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *